Além de melhores preços, atuar em associação permite a contratação conjunta de campanhas de marketing e de treinamentos

CRIS OLIVETTE
21 Julho 2018 | 20h59
(…)
Lojistas criaram rede de autopeças

Dono da loja 1100 Autopeças, em Belo Horizonte, Cleber Coutinho percebeu a importância de uma central. “Sentia falta de uma entidade que nos ajudasse a conviver uns com os outros, porque havia atitudes predatórias entre concorrentes. Além disso, como eu tinha uma loja pequena, não possuía volume suficiente para manter contato direto com fábricas e obter preços melhores”, conta.
Incomodado, o empresário se aproximou de outros lojistas sugerindo a criação de uma associação. “Em 1996, constituímos a Rede Peça Mais.”
A partir de então, Coutinho ficou atento a movimentos semelhantes em outros Estados. “Em 1998, o pessoal de São Paulo fundou a rede Âncora. Passei a manter contato com eles e em 2005, fomos convidados a nos juntarmos a eles. Nessa época, a rede Peça Mais tinha 25 lojas e a Âncora já tinha algumas lojas afiliadas no Rio Grande do Sul e no Triângulo Mineiro.”
Por outro lado, Coutinho já mantinha contato com lojistas do Brasil inteiro e sugeriu que empresários de outros Estados também pudessem se associar. “A rede Âncora estava com 85 associados e passamos a convidar lojas de outros Estados.”
Hoje, a rede tem 600 lojas em 15 Estados e Distrito Federal. “Minha vida mudou completamente. Antes da associação, meu faturamento mensal era de R$ 17 mil e eu tinha dois funcionários. Hoje, em alguns meses, superamos R$ 600 mil em vendas e tenho 25 funcionários”, conta. Segundo ele, com a união tiveram acesso a outra esfera de negócios. “Também houve evolução profissional do grupo, o que nos levou a um desenvolvimento constante.”
Coutinho diz que o desenvolvimento da central foi tamanho, que a marca acabou operando também como franqueadora. Das 600 unidades, cerca de 500 são franqueadas. A rede compra direto dos fabricantes e distribui para as lojas.
FONTE:https://economia.estadao.com.br/blogs/sua-oportunidade/central-de-negocios-aumenta-poder-de-barganha-de-empreendedores/