Outubro Rosa: entenda a importância em se falar sobre o Câncer de Mama

  • O que é o câncer de mama

Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva –  o órgão auxiliar do Ministério da Saúde no desenvolvimento e coordenação das ações integradas para a prevenção e o controle do câncer no Brasil), o câncer de mama surge por meio da multiplicação de células anormais da mama, que geram o tumor. O câncer de mama tem diferentes modalidades, sendo alguns com o desenvolvimento acelerado e outros mais desacelerados.
O INCA estima que, para o Brasil, 59.700 casos novos de câncer de mama para os respectivos anos de 2018 e 2019, junto ao risco suposto de 56,33 casos para cada 100 mil mulheres. Também foi averiguado que, abstendo o câncer de pele não melanoma, o câncer de mama é o mais frequente nas mulheres das Regiões: Sul (representando 73,07 para cada 100 mil), Sudeste (69,50 para cada 100 mil), Centro-Oeste (51,96 para cada 100 mil) e Nordeste (40,36 para cada 100 mil). Na Região Norte, o câncer de mama é o segundo tumor mais incidente (representando 19,21 para cada 100 mil).

  • O que aumenta o risco?

A idade a partir dos 50 anos, e o fator hereditário são alguns dos fatores mais famosos para o surgimento do câncer de mama. O câncer de mama hereditário equivale de 5 a 10% do total de casos. Os homens, que também podem ter câncer de mama, representam 1% do total de casos diagnosticados. Entretanto, as causas mais expressivas para o aumento do risco da doença, são:

  • Fatores ambientais e comportamentais:
  • Sobrepeso e obesidade após a menopausa;
  • Sedentarismo (não fazer nenhum exercício físico)
  • Alto consumo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiação ionizante (como raios-x)

 

  • Fatores da história reprodutiva e hormonal:
  • Primeira menstruação ter ocorrido antes dos 12 anos de idade;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Ter a menopausa (parar de menstruar) após os 55 anos de idade;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa – principalmente por mais de cinco anos.

 

  • Fatores genéticos e hereditários*
  • História familiar de câncer de ovário;
  • Casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos;
  • História familiar de câncer de mama em homens;
  • Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

*A mulher que possuir um ou mais itens desses fatores genéticos/hereditários está no padrão de risco elevado a desenvolver câncer der mama.

É importante mencionar que a presença de um ou mais desses fatores de risco não necessariamente significa que a mulher desenvolverá a doença. Mas a prevenção é sempre necessária.

  • Prevenção:

Estatisticamente, temos que por volta de 30% das incidências de câncer de mama podem ser evitados caso haja a adoção de hábitos saudáveis como estes citados:

  • Manter o peso corporal adequado
  • Praticar atividades físicas com frequência
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Alimentar-se de forma saudável
  • Amamentar

 

  • Quais são os sinais e sintomas para se atentar?

A observação das mamas é um ato extremamente importante para a saúde feminina. Essa observação pode ser realizada assim que a mulher estiver confortável, como no banho, na troca de roupa ou em demais situações cotidianas. Esses sintomas são notados sem a necessidade de técnicas específicas. Veja abaixo quais são os principais sinais e sintomas do câncer de mama:

  • Caroço, nódulo, fixo, duro e que não apresenta dor
  • Avermelhamento da pele mamária, retraída ou semelhante a uma casca de laranja
  • Alterações no mamilo (bico do peito)
  • Nódulos pequenos nas regiões da axila, pescoço ou abaixo dos braços
  • Vazamento de líquidos dos mamilos de forma espontânea

A mulher que identificar estas e demais alterações e anomalias nas mamas devem consultar imediatamente um médico para avaliação diagnóstica. Lembrando que ter um ou mais desses sintomas não necessariamente quer dizer que a mulher tenha câncer de mama. Por isso a prevenção e os exames frequentes são tão importantes.
A importância da Detecção Precoce
A maioria dos casos de câncer de mama é descoberto pelas próprias mulheres, ao detectarem anomalias nas mamas pelo aspecto visual, ou por meio do autoexame.
Além do autoexame e atenção com o próprio corpo, é recomendado que as mulheres na faixa dos 50 a 69 anos realizem a mamografia de rastreamento, feita quando não são detectados sintomas e nem sinais, a cada dois anos. Esse exame se mostra muito importante uma vez que pode identificar o câncer antes dos sintomas aparecerem.
A mamografia é uma radiografia das mamas, realizada por meio de um equipamento de raios X, chamado mamógrafo, que é capaz de identificar alterações suspeitas.
É sempre bom relembrar que as mulheres com risco elevado para desenvolver câncer de mama precisam conversar com seu médico para avaliação do risco para decidir a conduta a ser seguida.
Mamografia de Rastreamento X Mamografia diagnóstica
É importante ressaltar que a mamografia de rastreamento pode ajudar a diminuir a mortalidade por câncer de mama, porém, também é capaz de expor a mulher a certos riscos. Veja abaixo os principais riscos e benefícios desse exame:
Mamografia de Rastreamento
Riscos:

  • Haver a suspeita de câncer de mama. Requer outros exames, sem que se confirme a doença, o que gera expectativas e estresse.
  • A mulher estar com câncer, mas o exame detectar nódulos. Erro que gera falsa segurança à mulher
  • Fazer o tratamento completo (e mais agressivo, com quimioterapia forte e/ou radioterapia, retirada total da mama e etc.) ao ser diagnosticada com um câncer que não ameaçaria a vida da mulher
  • Ser exposta aos Raios X. Não é o fator maior de causa de câncer, porém, a exposição constante a ele pode aumentar o risco de desenvolvimento.

Benefícios:

  • Detectar o câncer na sua fase inicial e ser submetida a um tratamento menos agressivo
  • Chance de mortalidade reduzida, pelo tratamento ser precoce

Mamografia Diagnosticada
Mulheres de todas as idades podem solicitar esse tipo de exame, a critério do médico. Porém, essa modalidade de exame, geralmente, não é solicitada para mulheres mais jovens porque esse período as mamas são mais densas, dificultando o diagnóstico e podendo gerar resultados errados.
É sempre importante lembrar que o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece exames de mamografia à todas as mulheres, independentemente da idade, quando o exame é solicitado por um médico.
E lembre-se: a prevenção é sempre a melhor escolha! A Rede ANCORA apoia o Outubro Rosa – mês de prevenção do câncer de mama. Apoie essa causa você também, seja prevenindo-se e/ou compartilhando as pautas dessa causa com as mulheres da sua vida!
Para saber mais a respeito, acesse o site do INCA: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home