Revolução no transporte: entenda a tendência dos ônibus e caminhões elétricos

Há alguns anos era comum pensar, e idealizar, que inovações como veículos elétricos viriam em um futuro bem distante. Mas, esse futuro já chegou! A indústria automobilística não parou de se desenvolver nos últimos tempos e tudo indica que continuará em uma constante transformação.

Olhando o cenário, não há como prever exatamente quais serão essas mudanças, mas uma coisa é certa: a direção que estamos tomando é ampla, pois abrange temas de cunho inovador e, principalmente, sustentável.

O cenário e as necessidades mudam e, atualmente, para os transportes de Linha Pesada, as novas gerações de caminhões ônibus elétricos, movidos a combustíveis alternativos estão tomando cada vez mais lugar, dando, cada vez mais, espaço a três palavras primordiais: sustentabilidade, eficiência e economia.

E, pensando nessa grande tendência de mercado, para a Linha Pesada, explicamos quais inovações que o mercado vem trazendo e que já são realidade no dia a dia das estradas internacionais e nacionais. Leia na íntegra!

Caminhões elétricos:

Atualmente possuímos modelos elétricos recentes, sendo alguns deles já produzidos no Brasil. E, mesmo com um preço ainda distante da realidade da maioria da população, o aumento na oferta já chama a atenção. Os caminhões elétricos visam conversar com as necessidades da indústria, das empresas, dos usuários e, principalmente, as do planeta.

  • A novidade:

Atualmente, temos o Volkswagen E-Delivery, o mais novo caminhão elétrico feito totalmente em série no Brasil, que tem preço mínimo de R$ 780.000, sendo que, para o modelo que oferece maior autonomia e capacidade, o valor chega a R$ 980.000.

  • Estrutura:

No conjunto, a Volkswagen Caminhões cede consultoria para a instalação dos carregadores sob medida de acordo com cada aplicação. E, para gerar energia elétrica, o cliente pode utilizar as placas solares que vêm instaladas nos carregadores.

Desenhados para o ambiente de entregas urbanas, esses caminhões possuem variantes de 11 a 14 toneladas de capacidade; seu motor, localizado na parte traseira, produz em torno de 408 cv de potência mais 219 kgfm de torque; as baterias são compostas por íon de lítio e proporcionam autonomia de 250 km, com o veículo 100% carregado – porém, o modelo mais simples oferece até 110 km.

  • E como funciona um caminhão elétrico?

Os caminhões elétricos funcionam à base de energia elétrica, fornecida por baterias confeccionadas em lítio e podem durar, dependendo do modelo, até 3 horas para recarregar.

Porém, alguns modelos usam o atrito dos freios e a redução de velocidade como meio de produzir energia para dar uma carga extra às baterias; reaproveitando a energia.

Para carregá-los, é necessário plugar o veículo na tomada em algum posto de carregamento, ou mesmo, dependendo do modelo adquirido, usando fontes de energia limpa, como a eólica ou solar.  Além do motor, o ar-condicionado, a bateria e os faróis possuem baterias separadas.

  • Quais modelos posso encontrar no mercado?

O modelo pioneiro foi o da Renault Trucks, de 2009, e, de lá para cá, mais marcas e tipos de caminhões surgiram. Inúmeras empresas e modelos podem ser encontrados hoje em dia, como os exemplos abaixo:

O E-Delivery, como citado acima, é o primeiro modelo produzido 100% no Brasil, pela Volkswagen. E, atualmente, está ganhando bastante atenção e destaque no mercado nacional.

  • Maiores benefícios:

Algumas das maiores vantagens dos caminhões elétricos, são:

– Menores custos de manutenção, por não necessitar de óleo lubrificante e nem de arrefecimento;

– Motor simplificado, em relação aos modelos atuais;

– Mais eficiência nos motores;

– Custo de abastecimento menor;

– Freios mais potentes – fazendo com que as lonas de freio sejam menores

– Uso de energia renovável, gerando menos agressões ecológicas;

– Integração com outros modelos tecnológicos;

– Menor índice de vibração nos trajetos;

– Proporciona mais conforto durante as viagens;

– Veículo mais silencioso comparado aos modelos mais antigos.

  • Pontos de atenção:

Atualmente, a maior preocupação é com o alto consumo de energia que os caminhões elétricos demandariam. Porém, a Volkswagen afirma que, para a recarga dos veículos, será utilizada energia limpa, como a solar e a eólica; além de que a própria rodagem do caminhão poderá recarregá-lo.

Outro fator que chama a atenção é o valor alto dos caminhões elétricos, em relação aos modelos mais antigos; o valor das peças únicas dos caminhões em relação ao preço do dólar e a tributação para chegarem em território nacional; além de no Brasil ainda não haver pontos de recarga suficientes para as máquinas.

  • Quando esse modelo será acessível no país?

Devido a fatores técnicos, de autonomia, esse modelo, atualmente, está presente em vias urbanas, porém sem um número expressivo. Porém, graças à necessidade e à demanda, a previsão é que essa realidade se altere em breve. Atualmente, já possuímos empresas atuando com esse modelo de frota no Brasil, portanto, não é uma realidade tão distante assim; e em questão de pouco tempo teremos mais caminhões elétricos rodando em solo nacional.

Ônibus elétricos:

Assim como a indústria de caminhão, a de ônibus também está em plena expansão e desenvolvimento. A era dos ônibus elétricos e movidos a combustíveis alternativos chegou e as mudanças serão constantes. Sustentabilidade, eficiência e economia também são as palavras que guiam o futuro desse segmento.

  • A novidade:

Os ônibus são famosos meios de transporte da população, principalmente em países vastamente populosos, como o nosso. E, como sabemos, a população mundial cresce a cada ano e esse fator também tem um impacto crucial na indústria de ônibus.

Uma vez que temos mais pessoas, a demanda por transportes públicos e privados consequentemente também aumenta, por isso a indústria tem nos últimos tempos aumentando cada vez mais a produção de veículos para atender à população mundial. Em 2020, o valor de mercado para o segmento de ônibus urbano foi estimado em US$ 50,25 bilhões de dólares e a tendência é que, nos próximos anos, esse valor cresça ainda mais.

Porém, esse crescimento também gera preocupações como, por exemplo, nas questões sustentáveis, que são muito importantes na atualidade. Por isso, muitos países, com o objetivo de diminuírem ou até mesmo eliminarem a emissão de gás carbônico na atmosfera, têm investido na tecnologia para implementação de melhoria das frotas.

  • Estrutura:

Mundialmente falando, a China é a líder quando se trata de ônibus elétrico, tendo Shenzhen como a primeira metrópole a ter 100% da frota composta por veículos elétricos; seguida pelos Estados Unidos e a Europa como segunda e terceira colocadas, respectivamente.

Na Europa, é esperado que, em até 2025, haja uma frota de mais de 40.000 ônibus elétricos rodando. Porém, o continente, em 2019, já tinha um equivalente a 1.687 ônibus elétricos circulando nas ruas. Logo, espera-se que, principalmente pela mobilidade da Inglaterra, a Europa ultrapasse os EUA em breve no quesito de número de veículos elétricos funcionando.

Já na América Latina, tirando o Brasil, a líder do movimento dos ônibus elétricos é a cidade de Santiago, capital do Chile, que possui uma frota com mais de 300 veículos atualmente em atividade.

  • E como fica o Brasil nessa história?

O Brasil tem aderido cada vez mais o modelo de ônibus elétricos. Grandes capitais como São Paulo, Salvador e Brasília já têm essa modalidade de veículos circulando em suas regiões.

Em um país como o nosso, essa é uma proposta interessante porque a energia utilizada aqui, em sua maior parte, advém de fontes renováveis e limpas (como a eólica e a hidrelétrica). E por esses novos meios de transportes elétricos utilizarem bateria, é um grande chamariz para que gestores públicos e proprietários de empresas comecem a adotá-los cada vez mais. Um dado relevante é o da BYD, líder chinesa no mercado de ônibus elétricos na América Latina, que reportou uma economia de até 70% menor comparada aos ônibus movidos a combustível fóssil.

Outro exemplo de marca que temos por aqui é o da Scania, empresa que já atua há mais de 60 anos em solo nacional e que usa tecnologia de ponta, trazendo soluções sustentáveis ao mercado, com alta durabilidade e baixo custo de operação. A marca também já tem projetos onde desenvolve ônibus elétricos e os autônomos. A proposta da Scania é trazer uma solução que entregue diversos benefícios para toda a América Latina, além de revolucionar o transporte rodoviário como um todo.

Modelo do Scania Citywide BEV | Fonte: Scania/Divulgação
  • E como anda o mercado nacional?

As temáticas ambientais estão trazendo cada vez mais impacto e acabam por ter mais espaço nas decisões das autoridades. Temos como exemplo a Prefeitura de São Paulo, que tem como meta a redução de emissões por veículos (CO2) pela metade até 2027 e em 100% até 2037. E, para seguir esse objetivo, os primeiros ônibus elétricos começaram a circular na cidade em 2019.

São Paulo se tornou a cidade que mais utiliza e que tem a maior frota de ônibus totalmente elétricos no país. Em Campinas, onde está uma sede da BYD, foi criada uma licitação, em 2019, para que houvesse o acréscimo de 400 modelos, sendo metade da frota elétrica.

Em 2019, a capital Salvador também passou a aderir aos modelos elétricos, e a promessa é que a frota aumente nos próximos anos. Outras regiões como Brasília, Santos (SP), Bauru (SP) e Volta Redonda (RJ) também passaram a adotar a forma inovadora de transporte público.

E a tendência e a expectativa é que, para os próximos anos, as frotas sejam expandidas em todas as regiões nacionais.

  • Atuais dificuldades da adoção do modelo no Brasil:

Segundo o Instituto WRI Brasil, o maior impeditivo é o alto custo das baterias mais a menor autonomia que esses modelos oferecem em relação ao de combustão. Tendo esse fator em atenção, a BYD criou um modelo de flexibilização para que as empresas possam comprar os ônibus com as baterias ou terceirizá-las.

A BYD afirma que, no Brasil, a bateria equivale a 50% do custo dos veículos elétricos. Portanto essa facilitação no contrato pode ser mais atrativa às empresas que queira comprar os ônibus elétricos. Outra medida de flexibilização veio do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social que começou a conceder linhas de crédito para a compra de veículos elétricos.

Ônibus Elétrico em São Paulo da BYD | Fonte: Prefeitura de São Paulo

Outra questão levantada pelo instituto WRI Brasil é referente à menor distância de cobertura que os ônibus elétricos oferecem em relação aos ônibus movidos a diesel, além de que as baterias podem sofrer alterações diante de situações adversas, como clima e temperaturas ora alta ora baixas.  Porém, em um posicionamento, a BYD relatou que os seus ônibus carregados têm a capacidade de rodar em média de 200 Km a 300 Km, equivalendo a um dia na estrada; e que recarregar os veículos é necessário a utilização de tomadas instaladas nas garagens e um total de três horas.

  • Alguns dos maiores benefícios:

A sustentabilidade é uma das maiores motivações para a implementação desses modelos no nosso cotidiano. Mas, para além da sustentabilidade, outros benefícios também se destacam, como: motores menores – que costumam ter uma vida útil maior, além de necessitar de menos manutenção; menos ruído sonoro, o que traz mais tranquilidade e conforto ao condutor, o cobrados e os passageiros que utilizam o transporte, seja ele público ou privado.

Vale ressaltar que o combustível representa uma parte significativa no custo operacional do veículo e, com os reajustes no preço, o gasto pode ser ainda maior. Nesse caso, o ônibus elétrico se destaca por ser uma alternativa que oferece uma economia em longo prazo. Prova disso é que esse modelo pode reduzir até 83% dos gastos com manutenção e operação quando comparado com um ônibus movido a diesel.

Concluindo…

Como conclusão, temos que, a longo prazo, caminhões e ônibus elétricos estarão não só mais presentes como contribuirão para amenizar os impactos ambientais causados por poluentes de combustíveis fósseis e que a tendência sustentável, econômica e eficiente veio para ficar.

Não podemos prever o quão longe a evolução nos levará, mas podemos compreender, aos poucos, o caminho que está seguindo. E já temos uma baita transformação está acontecendo, não é mesmo?

Gostou do artigo e acredita que seus amigos e colegas de profissão também deveriam saber mais sobre tendências e a expectativa para a chegada das novas gerações de caminhões e ônibus elétricos? Então, compartilhe agora mesmo este conteúdo nas suas redes sociais e continue nos acompanhando para mais notícias sobre o setor!

Rede ANCORA – A Força de Uma Grande Parceria!

Fontes:

Sites: Prefeitura de São Paulo; Estadão; Uol; Scania; Volkswagen; Thor Trucks; Volvo; Einride; Tesla e Mercedes Benz